O Instituto do Prata: índios e missionários no Pará (1898-1921)



Título del documento: O Instituto do Prata: índios e missionários no Pará (1898-1921)
Revue: Curriculo sem fronteiras
Base de datos: CLASE
Número de sistema: 000353036
ISSN: 1645-1384
Autores: 1
2
Instituciones: 1Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Brasil
2Universidade Federal Fluminense, Niteroi, Rio de Janeiro. Brasil
Año:
Periodo: Jul-Dic
Volumen: 11
Número: 2
Paginación: 86-107
País: Brasil
Idioma: Portugués
Tipo de documento: Artículo
Enfoque: Analítico, descriptivo
Resumen en inglés The present study deals with the creation of two boarding schools for native boys and girls, by Capuchin missionaries of the Lombardia Order, in the Maracanã Settlement Center for Natives/Prata Settlement (1898-1921), with political and financial support of the government of Pará. The local government policy for native peoples and the Capuchin’s missionary policy are evaluated through their educational developments, as well as the interventions of the native families in the creation of the Settlement. We understand the Settlement as a large teaching project, articulated from different institutions, both of educational nature and pertaining to daily life: church, houses, workshops, cultivated fields, boarding schools and primary schools. Research is guided by the perspective of inserting natives in History as active subjects in contact relations, from contributions made by authors who have attempted to bring History and Anthropology closer together. Sources are official reports, newspaper articles and works of Capuchin missionaries. The study offers conclusions concerning the widening of historical understanding with respect to multiple practices and subjects of educational action in Brazilian society, and advocates that this theme receives deeper attention on the part of research in the History of Education
Resumen en portugués O presente trabalho aborda a criação de dois internatos para meninos e meninas indígenas por missionários capuchinhos da Ordem da Lombardia, no Núcleo Colonial Indígena do Maracanã/Colônia do Prata (1898-1921), com o apoio político e financeiro do governo do Pará. A política indigenista do governo local e a política missionária dos capuchinhos são analisadas nos seus desdobramentos educacionais, bem como as intervenções das famílias indígenas na criação da Colônia. Compreendemos a Colônia como um grande projeto pedagógico, articulado a partir de diferentes instituições educativas e da organização da vida cotidiana: igreja, casas, oficinas, roçados, internatos e escolas primárias. A pesquisa é orientada pela perspectiva da inserção do índio na história como sujeito ativo nas relações de contato, a partir das contribuições de autores que vêm aproximando a história e a antropologia. As fontes são constituídas por relatórios oficiais, artigos de jornais e obras dos capuchinhos. O trabalho encaminha conclusões no sentido de alargar a compreensão histórica sobre práticas e sujeitos plurais da ação educativa na sociedade brasileira, reivindicando o aprofundamento desta temática na pesquisa em História da Educação
Disciplinas: Educación,
Antropología
Palabras clave: Historia y filosofía de la educación,
Pedagogía,
Etnología y antropología social,
Indios,
Misioneros,
Escuelas indígenas,
Escuelas rurales,
Enseñanza,
Pará,
Brasil
Texte intégral: Texto completo (Ver PDF)