Cirurgia de revascularização miocárdica no diabetes mellitus



Título del documento: Cirurgia de revascularização miocárdica no diabetes mellitus
Revue: Arquivos brasileiros de endocrinologia e metabologia
Base de datos: PERIÓDICA
Número de sistema: 000289617
ISSN: 0004-2730
Autores: 1
Instituciones: 1Fundacao Universitaria de Cardiologia, Instituto de Cardiologia do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Brasil
Año:
Periodo: Mar
Volumen: 51
Número: 2
Paginación: 345-351
País: Brasil
Idioma: Portugués
Tipo de documento: Revisión bibliográfica
Enfoque: Teórico, descriptivo
Resumen en inglés Diabetes mellitus is present in 25­30% of patients undergoing coronary artery bypass grafts surgery. Early and late post-operative prognoses are different for the diabetic patient. Coronary artery bypass grafts are indicated in 2 or more vessel lesions, but it can also be preferred to percutaneous angioplasty in 1-vessel lesions, when this is the anterior descending artery or there is a great area under ischemia. Diabetic candidates to renal transplant must be investigated and revascularized pre-operatively, if necessary. Morbidity is greater in these patients, mainly due to respiratory, renal and cerebral complications and wound infections. Intensive care unit and hospital length of stay are more prolonged, but there is not increased early mortality. Diabetes mellitus represents an independent risk factor for late graft failure and mortality from cardiac and general causes. Although under an increased risk, coronary artery surgery results in better quality of life and late survival in the diabetic patients with severe coronary artery disease, as compared to medical treatment and percutaneous coronary angioplasty, specially in those who use insulin and when internal thoracic arterial grafts are implanted
Resumen en portugués Diabetes mellitus está presente em 25 a 30% de pacientes com doença arterial coronariana que necessitam cirurgia. Os pacientes diabéticos têm prognóstico distinto dos não-diabéticos, tanto na evolução clínica como nos resultados cirúrgicos. A cirurgia de revascularização está indicada em lesões de 2 ou mais coronárias, nos diabéticos. Porém, pode ser preferida, em relação à intervenção percutânea, em lesões de 1 artéria, quando esta for a descendente anterior ou houver área extensa sob isquemia. Diabéticos candidatos a transplante renal devem ser submetidos à cinecoronariografia e, se necessário, à revascularização. Pacientes diabéticos apresentam maior morbidade, como internação prolongada, infecções, insuficiência respiratória, complicações renais e cerebrais. No entanto, não há maior mortalidade, exceto nos pacientes sem diagnóstico prévio. Na evolução tardia, diabetes representa fator de risco para oclusões de enxertos e mortalidade, tanto de causa cardíaca como de outras causas. Embora os riscos sejam maiores, a cirurgia de revascularização resulta em melhor qualidade de vida e sobrevida em relação ao tratamento clínico e à angioplastia percutânea, especialmente nos usuários de insulina ou com enxertos de artérias mamárias
Disciplinas: Medicina
Palabras clave: Cirugía,
Endocrinología,
Metabolismo y nutrición,
Diabetes mellitus,
Aterosclerosis,
Coronarias,
Revascularización miocárdica
Keyword: Medicine,
Endocrinology,
Metabolism and nutrition,
Surgery,
Diabetes mellitus,
Atherosclerosis,
Coronary artery disease,
Myocardial revascularization
Texte intégral: Texto completo (Ver HTML)