Apontamentos para uma definição comportamentalista de cultura



Título del documento: Apontamentos para uma definição comportamentalista de cultura
Revue: Acta comportamentalia
Base de datos: CLASE
Número de sistema: 000458626
ISSN: 0188-8145
Autores: 1
1
2
Instituciones: 1Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho", Sao Paulo. Brasil
2Universidade Federal do Espirito Santo, Vitoria, Espirito Santo. Brasil
Año:
Volumen: 25
Número: 2
Paginación: 265-280
País: México
Idioma: Portugués
Tipo de documento: Artículo
Enfoque: Teórico
Resumen en inglés Behavioral analysis of social and cultural processes are not new in our field, since those were an important aspect of Skinner early interests, and a substantial part of his later works. However, the last three decades gave rise to new approaches to social and cultural processes, and this body of knowledge has been growing through theoretical, experimental and quasi-experimental research over the years. Although the field produced important innovations, one question remains particularly difficult to answer: the very definition of culture. Skinner made some observations on this subject, and more recently other researchers tried to discuss the matter and provide solutions, but different uses for the same word or the use of different words meaning the same thing poses a challenge to conceptual clarity. By means of a conceptual analysis of the works of Skinner, we aim to give a systematic position of Skinner’s uses of the term “culture”. We found two main possibilities: 1) the use of the term culture as another way to say “a set of contingencies”; 2) the use of the term culture as another way to say “a set of cultural practices”. We discuss the theoretical implications of these possibilities, and ultimately argue, with further clarifications, for the definition of culture as “a set of social contingencies”. In doing so, we hope to provide a possible and coherent radical behaviorist definition of culture, which might serve as a guiding concept for further research in Behavioral Analysis of Culture
Resumen en portugués Análises de fenômenos e processos sociais não são novos em nossa comunidade, tendo em vista que já permeavam o trabalho de B. F. Skinner desde seu início. Todavia, a despeito dos avanços significativos que caracterizaram as últimas três décadas de pesquisas teóricas, experimentais e análogos experimentais, uma questão permanece particularmente difícil de ser respondida: a própria definição de cultura. Skinner abordou o tema em diversas passagens de sua obra, mas, a exemplo do que ocorreu também com alguns outros conceitos, não demarcou paradigmaticamente uma definição comportamentalista de cultura. Outros pesquisadores também contribuíram para o debate, mas os usos diferentes da mesma palavra, bem como os usos de palavras diferentes para significar a mesma coisa, impõem desafios para a clareza conceitual. Neste artigo, ensaiamos uma sistematização das posições de Skinner, mediante pesquisa conceitual com base em sua obra, em busca de um tratamento do conceito de cultura coerente com o edifício conceitual do Comportamentalismo Radical e uma posição norteadora de futuros esforços em Análise Comportamental da Cultura
Disciplinas: Psicología
Palabras clave: Psicología experimental,
Historia y filosofía de la psicología,
Cultura,
Análisis Conductual de la Cultura,
Conductismo radical,
Skinner, Burrhus Frederick,
Contingencias,
Prácticas culturales
Texte intégral: Texto completo (Ver PDF)