Pela estrada das "Odes Mínimas", de Hilda Hilst



Título del documento: Pela estrada das "Odes Mínimas", de Hilda Hilst
Revista: Antares (Caxias do Sul)
Base de datos: CLASE
Número de sistema: 000396176
ISSN: 1984-4921
Autores: 1
Instituciones: 1Universidade Federal de Integracao Latinoamericana, Foz do Iguacu, Parana. Brasil
Año:
Periodo: Ene-Jun
Volumen: 6
Número: 11
Paginación: 4-15
País: Brasil
Idioma: Portugués
Tipo de documento: Artículo
Enfoque: Descriptivo
Resumen en inglés This paper is part of the doctoral thesis A Obscena Senhora Morte: Odes Mínimas dos Processos Criativos de Hilda Hilst defended in 2003 in FFLCH - USP, with financial support from FAPESP. The article presents a study of the work Da Morte: Odes Mínimas and her manuscripts, besides proposing an overvie w over the poetic trajectory of Hilda Hilst, passing by the reception of her first books by the critics. By studying the creation of a poem upon manuscripts or having a general outlook of her work (1950 - 1995), we note that, from simple parallel structures, complex structures are created while there is a higher density of treated subjects, which is justified by the increasing experience in the exercise of writing. Hilda Hilst renews the language by the complexity of the structure and arrangement of words, a procedure which the writer gradually conquers. In the Bibliography, we present all hi l stian works (except Obras Reunidas ), so that the reader can visualize her career as a poet, playwright, novelist and columnis
Resumen en portugués Este artigo é parte da tese de doutorado A Obscena Senhora Morte: Odes Mínimas dos Processos Criativos de Hilda Hilst defendida em 2003 na FFLCH-USP com apoio financeiro da FAPESP. O artigo apresenta um estudo da obra Da Morte. Odes Mínimas e de seus manuscritos, além de propor um voo rápido pela trajetória poética de Hilda Hilst, passando pela recepção de seus primeiros livros pela crítica. Ao estudar a criação de um poema via manuscritos, ou tendo uma visão geral da sua obra (de 1950 a 1995), nota-se que, partindo de estruturas paralelas simples, são criadas estruturas complexas e ao mesmo tempo existe uma maior densidade dos temas tratados, o que se justifica pela experiência cada vez maior do exercício de escritura. Hilda Hilst renova a linguagem pela complexidade da estrutura e do arranjo das palavras, procedimento que a escritora conquista aos poucos. Na Bibliografia, apresentamos todas as obras hilstianas (exceto as Obras Reunidas), a fim de que o leitor visualize sua trajetória como poeta, dramaturga, ficcionista e cronista
Disciplinas: Literatura y lingüística
Palabras clave: Poesia,
Hilst, Hilda,
Proceso creativo,
Crítica genética,
Cronistas,
Crítica,
Brasil
Texto completo: Texto completo (Ver HTML)